Kelly Beltrão KB Comunicação

Amor pela Profissão Contribui para o Sucesso!

Desde os oito anos, já sabia que iria ser jornalista. Naquela época, vivia com um gravador na mão e perguntava aos parentes e amigos suas roupas preferidas, o que mais gostavam de fazer, que profissão gostariam de ter.

Aos 17 anos, passei para o Vestibular do Centro Universitário de Brasília (Uniceub) para a área de jornalismo e era a segunda mais nova da turma.

O meu sonho na profissão era cobrir a Rocinha, no Rio de Janeiro. Então, escolhi fazer a monografia sobre o Programa Barra Pesada (voltado para a área de jornalismo policial), que era veiculado de segunda a sexta-feira, na TV Brasília, na parte da tarde.

Fiz a análise de mais de 30 reportagens policiais e do discurso do programa. Até que o produtor me ligou para acompanhar um homicídio e, neste momento, vi que não dava para mim esta área de jornalismo policial.

Já esta “área investigativa” sempre gostei e até hoje consigo “furos de reportagem” com os amigos em diversos temas.

​O meu primeiro estágio foi na TV Educativa, em 2004, em Brasília, na parte da manhã, onde cobria política no Congresso Nacional (Câmara e Senado).

Naquela época, o mais emocionante foi o escândalo do Mensalão e as audiências que participei e entrevistei o delator do mensalão Roberto Jefferson e o José Dirceu. Assunto que só foi se resolver no ano passado com a prisão de alguns personagens envolvidos.

Como era bem ágil, pegava o microfone sem fio e ficava de olho na cobertura das duas casas legislativas – Câmara e Senado.

Na parte da tarde trabalhava na TV Brasília também na cobertura do Congresso Nacional e, à noite, fazia faculdade.

Nos fins de Semana era responsável pela cobertura da Copa Dente de Leite (Campeonato de Futebol Amador das categorias fraldinha, pré-mirim e mirim).

Aos sábados, cobria três jogos das crianças e, aos domingos, ia até a TV gravar os gols. Teve um dia que cheguei a narrar 20 gols, imagina?

Tudo muito prazeroso trabalhar em TV. Mas, nesta parte do futebol, também atuava no meu primeiro trabalho de assessoria de imprensa: tirava foto dos times e enviava o placar com os resultados para os jornais de Brasília.

Em 2006, comecei a trabalhar na Agência do Rádio Brasileiro, onde gravava entrevistas com artistas da TV Globo e TV Record por telefone sobre as campanhas de Vacinação Infantil e de Poliomielite.

Além disso, fazia matérias para o Ministério da Saúde e para mais de mil rádios que usavam os nossos áudios.

​Em março de 2007, comecei no Ministério da Agricultura como coordenadora da Comunicação Interna e responsável pela elaboração do Jornal mensal “Entre Nós”, em que ouvíamos a opinião dos servidores e profissionais terceirizados sobre os serviços oferecidos pelo órgão.

Depois passei a gravar matérias para a Rádio do Ministério e a fazer a gravação da Espera Telefônica para as 27 Superintendências Federais de Agricultura e para o Ministério, com os principais assuntos do meio agrícola.

Para este cargo, o meu curso de Locução para Rádio e TV contribuiu bastante. E, em agosto de 2007, passei a fazer parte da Assessoria de Imprensa do Ministério e cobri as secretarias de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo, a Secretaria de Produção e Agroenergia, Secretaria de Defesa Agropecuária e as mais de 30 Câmaras Setoriais e Temáticas do Agronegócio.

Pelo Ministério tive oportunidade de conhecer lugares belíssimos para elaborar matérias como, por exemplo, Vale dos Vinhedos para falar sobre a história do Vinho, Paraty/RJ para escrever sobre cachaça, Pantanal para contar a história do Cavalo Pantaneiro, que é resistente para o trabalho.

​Em 2009, decidi me aprimorar e fiz pós-graduação em Gestão da Comunicação nas Organizações na Universidade Católica de Brasília. Ali escolhi como TCC analisar A Crise do Leite e o Papel do Ministério da Agricultura.

Foi quando percebi que era esta área de Assessoria de Imprensa que iria querer para o resto da vida. Mas nada de concurso, pois não me vejo sentada, fazendo sempre a mesma coisa por muitos anos, mas sim atuar para empresas, em que é possível aprender a cada dia e cobrir diferentes áreas sempre.

​Após quatro anos no Ministério da Agricultura, com a mudança de ministro decidiram ficar com o meu cargo comissionado. Então, como desde os 17 anos já queria mudar para o RJ, decidi aos 28 anos realizar este sonho.

Coloquei todos os pertences no meu FOX vermelho e, depois de uma semana, percorri 1,2 mil km com a minha mãe até a cidade maravilhosa.Como já tinha local para ficar foi mais fácil.

Mandei 100 currículos e, após um mês, fui chamada para três entrevistas. Passei nas três e decidi trabalhar em uma agência de Comunicação no Shopping Barra World, que ficava a 1 km da minha casa, onde coordenei jornalistas por dois anos nas áreas de negócios, beleza, gastronomia, saúde, eventos, direito e decoração.

​Após este período, como já estava com o contato de jornalistas de todas as áreas decidi abrir a minha própria empresa: A KB Comunicação.

Em 2 anos de empresa, já captei cerca de 40 clientes e em 2014 comecei a dar curso de Assessoria de Imprensa Estratégica voltado para quem deseja abrir o próprio negócio, com aulas teóricas e praticas!

Já foram mais de 90 profissionais capacitados em quatro turmas. Também me descobri nesta área de ensino, pois acredito que não podemos guardar o nosso conhecimento apenas para gente, mas sim transmiti-lo para todos para que possam alcançar o sucesso.

Em 2015, vou lançar meu primeiro livro voltado para Assessoria de Imprensa e acredito nisso: se você tem paixão pelo que faz tudo flui. Faço com amor e o melhor que posso por cada cliente. Gosto de estudar cada novo cliente para poder “vender” uma pauta da melhor forma possível, mostrando o melhor daquela empresa aos jornalistas!

Se você tem um sonho acredite e faça tudo para conquistá-lo. Você é capaz, basta ter força de vontade.  Tenha coragem e abra o seu negócio, mas antes estude os seus principais concorrentes e, claro, o seu futuro cliente!

Boa sorte!

Este conteúdo foi útil?

Rolar para cima