Otimização de Recursos

Como Otimizar Recursos e Potencializar Talentos, Mapeando Personalidade e Competências

As decisões no mundo corporativo, cada vez mais, têm margem de erro menor. Decisões equivocadas podem consumir um tempo precioso e altas somas de recursos humanos e financeiros. A saída então, é buscar através de abordagens e ferramentas específicas a cada caso, antecipar resultados, identificar o maior número de variáveis possíveis, mitigar os eventuais efeitos negativos, assim como, também, maximizar aqueles que sejam desejados.

O investimento de recursos (humanos e financeiros) e tempo na contratação de novos colaboradores, bem como a capacitação daqueles que já fazem parte do time, é uma preocupação constante do gestor de Recursos Humanos. O equívoco na contratação pode, por exemplo, postergar em meses o início de um novo projeto ou gerar efeitos danosos no ambiente de um departamento. Escolhas inadequadas e que constem no plano de treinamento e desenvolvimento corporativo poderão fazer com que os resultados fiquem aquém do planejado e os colaboradores não sejam capacitados e desenvolvidos como esperado. Nos exemplos acima, de forma bastante certeira, eu afirmo: tempo e dinheiro foram desperdiçados!

No processo de Recrutamento e Seleção, mais especificamente, pode ser complexa a escolha do candidato a ser contratado. Por isso, identificar previamente o perfil das pessoas é importante antes de decidir se são ou não adequadas à função para a qual estão sendo consideradas.

Várias técnicas são tradicionalmente utilizadas de forma a identificar o candidato certo: entrevistas, dinâmicas, provas, avaliações e testes dos mais diversos (técnicos ou não). No entanto, há uma faceta de cada candidato que nem sempre é a visível: sua personalidade.

Pessoas podem ser treinadas para adotar um ou outro comportamento, agir desta ou daquela forma em um contexto específico, mas, sua personalidade é algo mais profundo e complexo de ser mapeado e maquiado. Trata-se da natureza do indivíduo! Quão mais congruentes forem os comportamentos do indivíduo com seus traços de personalidade, e ambos com o perfil determinado pela empresa contratante, melhor será sua performance. Todos ganham nesse jogo!

O mesmo aspecto também deve ser levado em consideração quando da definição de quem participará de qual treinamento. Uma estratégia de treinamento e desenvolvimento assertiva contribui substancialmente para que os objetivos sejam alcançados, investindo-se o suficiente para obter os resultados desejados. Trata-se de gasto otimizado de recursos, muitas vezes escassos. Tenhamos como exemplo, indivíduos que já possuem competências consolidadas de liderança ou trabalho em equipe. Possivelmente, sentir-se-ão aborrecidos – e até desmotivados – de participar de treinamentos com estas mesmas temáticas. Será mais adequado, então, mapear os aspectos da personalidade e traços comportamentais dos colaboradores e, assim, investir certeiramente nos eventos mais adequados e, cujo resultado, será o mais eficaz para todos. Resumindo, o retorno do investimento será muito mais favorável!

Dentre as várias ferramentas utilizadas, a que trago para os holofotes são os assessments: recursos úteis ao desenvolvimento pessoal e profissional na medida em que permitem ao indivíduo entender traços de sua personalidade, suas habilidades, suas competências, seus aspectos fortes ou aqueles que podem ser aperfeiçoados.

Basicamente, todas as ferramentas de assessment seguem a mesma sistemática: o indivíduo responde a um questionário online com diversas perguntas sobre seu comportamento, seus gostos, suas percepções e, a partir das suas respostas, o sistema, eletronicamente, determina seu perfil, indicando aspectos da personalidade, competências, habilidades, entre outros.

Em minha abordagem como coach, consultor e líder, por exemplo, sou usuário contumaz do assessment internacional PEAKS. Este diferencia-se dos congêneres, pois, considera de forma ampla e abrangente a teoria das cinco dimensões da personalidade.

Já foram realizados milhões de testes em todos os continentes e, no Brasil, já foi utilizado por milhares de pessoas e por grandes empresas. Não é situacional e pode ser utilizado em vários idiomas, incluindo português, inglês e espanhol.

São gerados diversos relatórios bastante amplos e completos, para variados contextos e análises: liderança e gestão, carreira, plano de desenvolvimento pessoal e profissional, identificação de pontos fortes e fracos são alguns deles. Os resultados são precisos em identificar comportamentos que são mais naturais para uma pessoa a partir de certos traços de personalidade.

O PEAKS tem aplicações diversas, dentre as quais destaco: desenvolvimento gerencial, mentoring e coaching, T&D, R&S, planejamento sucessório e aconselhamento familiar, aconselhamento de carreira, feedback 360º e fusões e aquisições.

Em minha experiência como coach e consultor afirmo que o retorno com a utilização de um assessment é inquestionável. Os resultados que meus clientes alcançam é substancialmente mais relevante, muitas vezes em menor tempo. Afinal, em tempos de crise, investir bem os recursos, é o melhor a ser feito!

Este conteúdo foi útil?

QUER TURBINAR SUA CARREIRA?

Receba conteúdo sobre Carreira.

   

Cadastrado com Sucesso!

Rolar para cima