Resiliência para Vencer na Crise

Resiliência para Vencer na Crise

O ciclo recessivo que começou em 2014 ainda persiste.

Diante do cenário que o Brasil enfrenta, um alto grau de incerteza e muita ambiguidade ainda deverão ser enfrentados por todos, no ambiente das empresas: profissionais, líderes e empreendedores. 

O número de postos de trabalho tende a encolher e as empresas, para não fecharem as portas, continuarão a buscar medidas para reduzir o gap entre o que lucram e o que empenham de recursos para gerar esses lucros, gerando impactos não só “dentro da empresa”, mas em toda a cadeia de stakeholders (partes envolvidas ou afetadas pela atividade).

Este cenário é propício a colocar muitos diante de questionamentos difíceis e até inéditos, especialmente para os que nasceram entre meados de 1980 e meados de 1990 e vivenciam pela primeira vez uma crise econômica.

Para os líderes:

Como manter o equilíbrio emocional diante da pressão sem afetar de forma negativa a equipe?

Como manter a motivação diante do acúmulo de trabalho? 

Para os empreendedores:

O que fazer para sobreviver? 

É preciso desenvolver resiliência.

Resiliência costuma ser definida como uma característica comum entre as pessoas que costumam responder satisfatória e saudavelmente aos processos de mudança e de incerteza ao longo da vida.

É a capacidade que torna as pessoas mais eficazes diante de problemas, crises e adversidades em geral.  

Segundo autores da área, pessoas resilientes apresentam algumas características: 

  • Têm uma visão clara do que querem realizar; 
  • Não gastam o tempo se preocupando ou ruminando sobre eventos ou circunstâncias que estão fora do controle delas; 
  • Sabem buscar a atenção e o investimento de outras pessoas;
  • Desenvolvem abordagens estruturadas para gerenciar a ambiguidade, ou seja, são organizadas;
  • Conseguem identificar e avaliar com precisão as causas dos problemas, de forma realista e sem culpar reflexivamente outras pessoas por seus erros. 
  • Conseguem regular as emoções, controlando ações impulsivas, o que ajuda a manter a saúde física. 
  • São otimistas: têm esperança no futuro e acreditam que têm o controle e a direção da própria vida.
  • Induzem mudanças ao invés de se defenderem delas;

Somado a todas essas características, pessoas com suficiente grau de resiliência são capazes de fortificar-se com as experiências ao invés de esgotar-se diante delas.

Revendo seus propósitos sem abandoná-los e concentrando-se mais nas oportunidades do que nas ameaças presentes nas situações de indefinição, incerteza e mudanças. 

Por outro lado, a ausência dessa capacidade leva a decisões mal tomadas.

Constantes conflitos com parceiros de trabalho, irritações que interrompem a execução de tarefas, reações muito explosivas no ambiente organizacional, levando a falência de negócios, demissões prematuras, entre outros comportamentos improdutivos, que em estágios mais avançados podem resultar em apatia, depressão, esgotamento físico ou psicológico.

resiliência é uma capacidade complexa que resulta da soma de diversos aspectos.

Podemos começar melhorando a sua resiliência para lidar com a crise, com dez dicas que podem ajudar a progredir na solução de problemas, na motivação, na sua e na de sua equipe e na geração de inovação. 

Para mudar o padrão de respostas ineficazes e partir para soluções de problemas que podem até ser inovadoras, diante do problema:

  1. Existe uma parte da situação que você pode mudar ou influenciar. Aceite que existe também o que você não controla e não pode mudar; 
  2. Buscar culpados não resolve nada. Pense no que você pode fazer para solucionar ou como pode influenciar terceiros ou outros meios para gerar soluções; 
  3. Isole o problema das outras áreas de sua vida. Limite o alcance da adversidade; 
  4. Lembre-se que a duração das adversidades é limitada: pode demorar, mas não vai durar para sempre.
  5. Antes de reclamar sobre alguma coisa, pare e pense no que você gostaria que acontecesse: substitua reclamações por solicitações. Em vez de reclamar do trabalho que não saiu como você imaginava depois que ele ficou pronto, peça o que quer e como quer com detalhes suficientes para obter o resultado que o deixará satisfeito.

Para motivar sua equipe, gerar maior produtividade e identificar fontes de inovação ou diferenciais:

  1. Desloque o foco do problema para a solução: todos já sabem dos problemas que vivemos e seus impactos na empresa, o que poucos sabem é que são parte da solução; 
  2. Identifique o positive core, o seu ou de sua equipe: o que fazemos bem/ quais são nossos pontos fortes; 
  3. Defina a meta estratégica: onde estaremos daqui a “x” tempo;
  4. Construa planos de ação, para atuar em metas de resultado: o que precisamos melhorar para alcançar aquilo que queremos, qual é a parte de cada um;
  5. Ouça as sugestões de forma aberta: você não tem e nem é obrigado a ter todas as respostas.

No mais, mantenha o equilíbrio entre as diversas áreas de sua vida.

Não adianta ficar voltado só para o trabalho, pois a repetição gera stress.

Então, faça exercícios, mantenha contato com os amigos e sua família.

Busque atividades de lazer que tenham significado, que te energizem, cuide de seu amor, não desperdice seu dinheiro, nutra sua capacidade intelectual e não perca de vista aquele bom motivo pelo qual você levanta da cama todos os dias: o seu legado.

Este conteúdo foi útil?

Rolar para cima